O que é o CAPB?

Ao pesquisar na internet ou procurar na história, você provavelmente encontrará que um Centro Acadêmico (CA) é uma entidade que representa todos os estudantes de um curso, e que eles são legitimados pela Lei Nº 7.395, de 31 de outubro de 1985, funcionando a partir da associação de estudantes. Também verá que suas funções podem ser, e em geral são, diversas entre as quais estão: a organização de atividades acadêmicas extracurriculares como debates, discussões, palestras, semanas temáticas, visitas técnicas em empresas privadas e órgãos públicos, recepção de calouros, realização de projetos de extensão, mobilização e organização de reivindicações e ações políticas dos estudantes, mediação de negociações e conflitos individuais e coletivos entre estudantes e a faculdade, realização de atividades culturais como feiras de livros, festivais diversos, entre outros. Com tudo isso, vai ouvir que existem também o DCE (Diretório Central dos Estudantes), os DAs (Diretórios Acadêmicos) e Grêmios, todos cumprindo essa mesma função ou em diferentes escalas. Assim como os CAs, essas entidades podem estabelecer relações com instâncias burocráticas das instituições, inseridas diretamente nas suas estruturas ou não, determinando como se dá sua autonomia e a existência de interferências institucionais.

Entretanto, vemos que um CA ou o CAPB é definido não somente pelas palavras escritas ali em cima, mas por todas as pessoas que o constroem, coletivamente. Ele pode ser utilizado como um instrumento de mudança e transformação da universidade e da realidade fora dela, um espaço não para o qual somos chamados para participar e que é determinado pela ordem vigente, mas que é criado e constantemente recriado (por vezes de maneira insurgente) pela iniciativa dos estudantes e que permite a construção coletiva de um projeto diferente de curso, de universidade e também da sociedade. Podemos falar também sobre o seu caráter pedagógico, nos ensinando sobre as potencialidades e limitações dos espaços institucionais colegiados, que nada mais são que espaços da ordem onde nos inserimos para participar das deliberações acadêmicas. Assim como podemos discutir sobre as contradições da nossa sociedade e ao fazê-lo, debater o comunitário de maneira coletiva e plural, possibilitando quebrar com a lógica individualista que permeia toda a nossa vida, desde a escola até a carreira profissional.

Nesse espaço criado também construímos uma noção de democracia diferente da usual, na qual o debate vai além do partidarismo e da participação apenas pelo voto (sem contudo excluí-los), reconhecendo e nos inserindo na constante disputa de ideias e projetos que está estabelecida na sociedade, em todas as esferas da nossa vida e sem dúvidas na vida universitária, sem no entanto nos preocuparmos com retaliações devido a opiniões contrastantes.

 Do entendimento de que não somos uma ilha, devemos estar em constante comunicação e articulação com outras entidades dentro e fora da UNIFESP, com CAs, DCE, outros estudantes de medicina (por meio da DENEM) sindicatos e associações estaduais e nacionais, e mais uma vez o Centro Acadêmico permite ampliar nosso conhecimento e nossos horizontes, deixando cada vez mais claro o papel de todos enquanto agentes políticos.

Assim, colocando o CAPB enquanto espaço de constante e dinâmica construção, temos que ele é algo que não está dado, de maneira estática,  e que é mutável de acordo com quem o compõe, bem como tudo aquilo que nos cerca enquanto indivíduos e sociedade e que, além de entidade imprescindível para a representação dos estudantes da Medicina UNIFESP, também nos chama como instrumento para nossa organização e mudança.